Quinta, 25 Março 2021 08:18

Purple Day: Data conscientiza e debate preconceitos contra a Epilepsia

Purple Day. Foto Divulgaação.jpg

No mundo, aproximadamente 50 milhões de pessoas sofrem com a doença. Foto: Divulgação.

O mês de março é marcado pelo Dia Mundial de Conscientização sobre a Epilepsia, que acontece no dia 26. O Purple Day (Dia Roxo) foi criado por meio de um esforço internacional e voltado para ações que reforçam a data e a importância da conscientização sobre a doença. 

A epilepsia é uma doença neurológica crônica que acomete pessoas de todas as idades ao redor do mundo. É caracterizada por crises recorrentes, sendo que a mais conhecida da população é a convulsão, mas ela não é a única. A médica convidada pela Prati-Donaduzzi para abordar o tema, a neurologista e membro da Comissão de Jovens Pesquisadores da Liga Brasileira de Epilepsia (LBE), Eliane Keiko Fujisao, explica que “as crises podem se apresentar como movimentos e espasmos de somente um membro; um mal-estar, ou também alterações visuais e de sensibilidade”. 

Suas causas são múltiplas, e dentro desse conjunto de doenças existem as que são oriundas de uma predisposição genética; as que são consequências de problemas ocorridos durante a gestação ou o parto; as que são secundárias a doenças infecciosas, inflamatórias ou metabólicas e as que são chamadas de estruturais, que foram causadas por traumatismo craniano ou por um acidente vascular cerebral (AVC). 

Em pouco mais de 60% dos casos, há controle das crises com medicamento, no entanto, as comorbidades cognitivas, como dificuldade de memória e atenção, e as comportamentais, como depressão e ansiedade ainda estão presentes e podem afetar a qualidade de vida. 

Apesar dos impactos no dia a dia do paciente, os especialistas garantem que é possível controlar a doença e reduzir as crises. “Hoje, há muitos tratamentos alternativos como a dieta cetogênica e o uso do Canabidiol”, afirma a neurologista. 

Desafios da falta de informação

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 3 milhões de brasileiros sofrem com a enfermidade. No mundo, são aproximadamente 50 milhões de pessoas. Além da busca por melhor qualidade de vida, uma das principais lutas de quem vive com a doença é contra o preconceito. 

“Além de todas as dificuldades que o paciente passa com a doença, ele ainda precisa lidar com a desinformação de amigos, familiares e comunidade, que podem piorar esse quadro com preconceito e estigma. Por isso que ações como o Purple Day são tão importantes.”, reforça a Dra. Fujisao. 

Em prol da conscientização 

Um exemplo de ação que busca justamente contribuir nesta luta através de informação é o Purple Day Brasil. Marcado para o dia 27 de março, às 9h30, acontece de forma on-line - por conta da pandemia da Covid-19 - e objetiva tratar o tema da epilepsia sem preconceito. A ação reúne grandes personalidades, médicos especialistas, profissionais da saúde e pacientes para dialogarem sobre a vida com epilepsia e a inscrição gratuita pode ser feita pelo site: http://bit.ly/purpledaybrasil

“Tenho certeza de que será um evento transformador na vida de muitas pessoas que têm epilepsia e não reconhecem a necessidade e a importância de saber sobre outras que passam pela mesma condição que elas, entendendo seus medos, inseguranças, sonhos e criando referências para se autoconhecer e buscar qualidade de vida”, assegura o embaixador do movimento Purple Day, Eduardo Caminada Junior. 

A Prati-Donaduzzi apoia pelo segundo ano consecutivo a ação, que converge com o objetivo da empresa em levar saúde por meio de informações para as pessoas, principalmente sobre as patologias do Sistema Nervoso Central (SNC).  Além disso, a farmacêutica disponibiliza à comunidade e aos profissionais médicos  um website (https://www.evolucaoparavida.com.br) com conteúdos exclusivos. 

SOBRE A PRATI-DONADUZZI

A Prati-Donaduzzi, indústria farmacêutica 100% nacional, é especializada no desenvolvimento e produção de medicamentos. Com sede em Toledo, Oeste do Paraná, produz aproximadamente 12 bilhões de doses terapêuticas por ano e gera mais de 4,6 mil empregos. A indústria possui um dos maiores portfólios de medicamentos genéricos do Brasil e desde 2019 vem atuando na área de Prescrição Médica.

Ler 413 vezes Última modificação em Quinta, 25 Março 2021 08:28